No amor de Jesus



Era uma vez, em um reino não muito distante, um cidadão assentado numa colina de onde dava para ver todas as coisas. Enxergando o castelo do seu Rei, se perguntou: porque vivo e faço as coisas para meu Rei e seu Reino?


Como este cidadão, volta e meia nos damos conta de que a nossa vida cristã se transformou em apenas um cumprir de tarefas e uma agenda cheia de compromissos. Constantemente somos jogados à uma “máquina” de produção onde os resultados definem o valor e a importância das pessoas.


Esse tem sido um problema constante em nosso meio, com o qual lidamos diariamente, a ponto de afetar de forma emocional as pessoas.


Sempre que falamos sobre vocação, no final do discurso, fica a sensação de que vocação é igual à produção. Então as pessoas rapidamente começam a planejar coisas para fazer e ações nas quais se engajar pois, dessa forma, estarão cumprindo sua vocação.


Relendo o momento da historia entre Jesus e Pedro em João 21:15-17, compreendo que somos levados a focar no chamado que Jesus faz três vezes a Pedro de “Apascenta as minhas ovelhas” como se essa fosse a essência da nossa vocação.


Quando, na realidade, a nossa vocação está inteiramente ligada ainda que de maneira limitada, ao nosso afeto tanto em palavras quanto em ação por Jesus e tudo aquilo que Ele ama. É muito interessante ver que a palavra amor, que tanto Jesus como Pedro utilizam nesse texto, tem uma conotação diferente.


Jesus, ao perguntar “Simão, filho de Jonas, amas-me”, está utilizando a palavra ágape, que se refere a um amor; ilimitado, sem reservas, sem defeito. É o que comumente denominamos de amor Divino. Porém a resposta de Pedro foi “Simão entristeceu-se por lhe ter dito pela terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. A palavra utilizada aqui por Pedro é diferente da usada por Jesus “ágape”. A palavra usada é filhos, que tem como conotação um amor; fraco, limitado, por muitas vezes vacilante.


Nesse contexto, entendemos que a verdadeira vocação tem a ver, em primeira instância, em amar a Jesus, ainda que isso seja de forma limitada, pois somos humanos e demasiadamente humanos. Só quando amarmos Jesus, no dia a dia, nos acertos e nos erros, poderemos cumprir nosso chamado de amarmos as suas ovelhas, ou seja, entendendo isto como tudo aquilo que Ele nos convida a fazer.


O nosso chamado tem a ver com a nossa ação concreta e vocação com aquele amor que motiva nossa vida pelo amor e para o amor, que é Jesus. Tudo começa e finaliza nEle, tanto a vocação, quanto o chamado.


A nossa vocação é, sobretudo, amarmos a Jesus eternamente, pois Ele é o nosso eterno amor. E o nosso chamado é para amarmos a tudo aquilo que Deus amou – o mundo!


Permaneçamos na nossa vocação, no amor de Jesus.

#amor #cruz #céu #Jesus

Posts Recentes